O Projecto‎ > ‎Os casos em estudo‎ > ‎

Quarteira

Quarteira é uma cidade recente, nascida há menos de 50 anos a partir de um lugar de pescadores a meio de um extenso areal ao longo da metade oriental da costa do Algarve. Esta costa, orientada a sul, apresenta a mais mediterrânica feição do litoral português e teve um destino fortemente marcado, sobretudo depois do 2º pós-Guerra, pelas actividades turísticas, tanto balneares como de golfe.

A oeste desta cidade, e apenas separada por alguns terrenos tampão e pelas traseiras de hotéis, encontra-se a marina de recreio e a vasta urbanização turística de Vilamoura, construídas desde o início da década de 70 sobre os terrenos da antiga Quinta de Quarteira. A Leste situa-se o empreendimentos turístico do Vale do Lobo.

Caracterização

Quarteira é hoje uma cidade com uma população permanente de 16129 habitantes que, entre Julho e Setembro, alberga o triplo das pessoas. Entre 1950 e 2001, de acordo com os dados do Instituto Nacional de Estatística, a população aumentou 376% e os alojamentos dispararam 1237% entre 1970 e 2001 (INE, 2001). Edificado sobre o areal entretanto reduzido, chega a ter prédios fronteiros a menos de 100metros da rebentação. Esta frente de mar alinha-se ao longo de uma avenida marginal assente sobre um extenso paredão do qual se estendem 5 esporões que têm estabilizado o areal e fixado a frente urbana.

Erosão costeira e obras de defesa

Do ponto de vista da erosão, a expansão de Vilamoura afectou gravemente o areal de Quarteira, colocando em risco extremo muitos prédios. Com efeito, a construção da marina de Vilamoura, com as respectivas obras de regularização da foz da Ribeira de Quarteira e dos molhes de embocadura do porto de recreio, não só criaram uma forte tensão com os pescadores, há muito reivindicando um porto de pesca e de abrigo, como com todos os interessados nos negócios de veraneio. Acima de todos destaca-se o do imobiliário, pois as obras da marina haviam interrompido a normal alimentação em areias na praia pelas correntes Oeste-Este e tornado ameaçador o recuo do areal frente aos prédios.

Nos anos 70 foi construído um campo de esporões que estabilizaram o areal da praia, embora tenham acentuado a erosão a sotavento, frente ao ‘resort’ de Vale do Lobo, considerado neste momento o troço mais crítico, onde algumas habitações tiveram de ser demolidas e outras têm recuo previsto.

Em 1999 inaugurou-se o porto de pesca de Quarteira, apontado também como possível causa do agravamento da erosão a Leste. Para conter o recuo da costa neste troço, foram feitos três enchimentos artificiais desde 1998, o último dos quais no Verão de 2010, ao longo de 5 km. Espera-se que este último enchimento tenha efeitos durante uma década, conforme os eventos meteorológicos e a dinâmica que este troço costeiro revelar nos próximos anos.